Em foco

Angola: Pernamência excessiva em frente a televisão causa obesidade infantil dizem especialistas

A alimentação desregrada e fora de hora, a permanência excessiva em frente à televisão, celulares e a falta de exercícios físicos são alguns dos principais factores da obesidade infantil no país, principalmente em crianças a cima dos 5 anos de idade.

Data: 05.12.2018

Angola: Pernamência excessiva em frente a televisão causa obesidade infantil dizem especialistas

Obesidade é explicada como o excesso de gordura corporal acumulada no tecido adiposo e as causas referenciadas contribuem para o seu surgimento devido o acomodo do corpo, com implicações para a saúde.
A obesidade entre crianças de menos de cinco anos está a atingir níveis alarmantes em âmbito mundial e virou um pesadelo explosivo nos países em desenvolvimento, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
No mundo já há 124 milhões de crianças e jovens entre cinco e 19 anos que sofrem de obesidade, um número 10 vezes maior do que o registado há quatro décadas, e anualmente 9,4 milhões de pessoas em todo o mundo.
De acordo com a pediatra Josina de Almeida, do Hospital do Prenda, disse que este problema pode desencadear doenças como diabetes, complicações cardiovasculares, hipertensão e problemas nas articulações.
Explicou que perder peso permite reduzir os níveis de açúcar e das gorduras no sangue como os triglicerídeos, o colesterol total e o colesterol mau, além de fazer aumentar o colesterol bom (HDL-colesterol), cuja acção melhora a circulação.


Durante as consultas, a pediatra atende 1 a 2 crianças com obesidade, num total de 10 petizes.
A especialista, que manifestou-se preocupada, aconselhou aos pais a serem mais rigorosos com os filhos, salientando que esta atenção passa pela consulta regular de pediatria, para descarte de doenças, não só do fórum de obesidade, como também de outras crónicas.


Atitudes como essas demonstram a grandeza da maternidade e só os pais podem ter um acompanhamento diário das actividades dos filhos, evitando assim consumos inadequados“, reforçou.


Já a nutricionista Auzenda Ferraz, afirmou que os pais devem proporcionar uma alimentação cada vez mais saudável, evitando alimentos gordurosos e com adição de açucares como hambúrgueres, gasosas, batatas fritas, e doces.


Adiantou que devem procurar os filhos a habituarem-se a consumir alimentos ricos em fibras e vitaminas A, B e C como frutas, legumes, leite, cereais, ovos e carne.


Para o psicólogo Mário Augusto, as crianças com problemas de obesidade têm dificuldades em se relacionar e apresentam timidez excessiva, sem descurar que muitos sofrem bullying nas escolas, parques, festas, entre outros.


Salientou que, infelizmente, em Angola muitos pais não têm cultura de levar os filhos com este problema para um acompanhamento psicológico e para uma psicoterapia para lidar com situações de vida penosas e sua relação com a comida, além de cuidados médicos e nutricionais.


Fonte: ANGOP



Voltar