Em foco

Follow Inspiration: mais do que fáceis os robots vêm tornar as coisas possíveis

Uma ida às compras pode revelar-se uma tarefa hercúlea para pessoas que tenham qualquer tipo de limitação, pelo que a startup quer usar a tecnologia para promover a qualidade de vida das pessoas. Mas garantiu no Portugal Digital Summit que isso não vai roubar o emprego a ninguém.

Data: 26.10.2018

Follow Inspiration: mais do que fáceis os robots vêm tornar as coisas possíveis

“Os robots têm capacidade de pensar e isso assusta as pessoas”, começou por dizer Luís de Matos, CEO da Follow Inspiration, uma ideia partilhada pelos restantes oradores do painel Robótica: negócios em modo automático que decorreu no palco Tech Talks do Portugal Digital Summit, a conferência anual da ACEPI.


O fundador da startup focada na construção de robots de apoio ao consumo apontou a necessidade de mudar mentalidades para combater a ideia de que os “robots nos vão tirar o lugar em vez de serem uma ajuda”, uma premissa a que os seus produtos têm dado vida.


É o caso do wiiGO, um robot 100% português e que mais não é do que um carrinho de compras totalmente autónomo para acompanhar pessoas com mobilidade reduzida, seja um idoso, mulher grávida, uma mãe com um carrinho de bebé ou uma pessoa com deficiência.


“Queremos mostrar que a robótica e a inteligência artificial não são nenhum drama e, como tal, com os nossos produtos as necessidades das pessoas estão sempre em primeiro lugar”, referiu, esclarecendo que “para as pessoas sem limitações, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para quem tem algum tipo de restrições, torna-as possíveis”.


Totalmente desenvolvido em Portugal, sem “americanices ou chinesices”, o wiiGO Retail é um dispositivo autónomo preparado para seguir determinada pessoa e para onde quer que ela se desloque, facilitando o transporte de objetos de forma autónoma.


A tecnologia foi patenteada no início deste ano junto do Gabinete de Patentes e Marcas dos Estados Unidos da América (USPTO) e, embora tenha sido concebida para o retalho, não está descartada a sua aplicação industrial e nos aeroportos.


Quando confrontado com o medo generalizado da ascensão das máquinas e a ocupação dos postos de trabalho humanos por estas inovações, Luís de Mota é peremptório: “é preciso tirar de vez essa ideia da cabeça. Até porque os robots vão acabar por fazer aquilo que as pessoas não querem, seja porque é aborrecido, rotineiro ou outros motivos quaisqueres”, concluiu.


Além do carrinho de compras autónomo, a Follow Inspiration já introduziu a sua tecnologia noutros produtos como a primeira máquina de café autónoma do mundo, desenvolvida para a Delta.


Fonte: Sapo Tek



Voltar