Em foco

Angola ocupa posições modestas no ranking regional de programação

Angola ficou nas 6ª, 9ª e 11ª posições do ranking regional da 20ª edição do concurso internacional universitário de programação ao sul da África (The 20th South African Collegiate Programming Contest), que se realizou no último fim de semana em Luanda.

Data: 23.10.2018

Angola ocupa posições modestas no ranking regional de programação


O somatório destas três colocações, no entanto, habilita Angola a ficar na 2ª posição ao nível dos países  e abre a possibilidade de uma repescagem para o mundial de 31 de Março a 5 de Abril de 2019 na Universidade do Porto, em Portugal.


Uma nota do Instituto Superior de Tecnologias de Informação e Comunicação (ISUTIC), local onde se realizou o concurso online, em tempo real, indica que do primeiro ao quinto lugar foram ocupados por equipas da África do Sul, num concurso que contou com a participação de 85 representações de 18 instituições da África do Sul, Angola, Etiópia e Quénia.


Angola participou no concurso com o Instituto Superior de Tecnologias de Informação e Comunicação (ISUTIC), as faculdades de Ciência da Computação e de Engenharia Informática da Universidade Agostinho Neto, Instituto Superior Politécnico de Tecnologias e Ciência (ISPTEC), Instituto Superior Técnico Militar (ISTM) e Instituto Superior Politécnico (ISP) – Huíla.


Cada equipa esteve constituída por três estudantes e um treinador. O ISUTIC teve cinco equipas, igual número do ISPTEC, a UAN três, o ISTM e o ISP–Huila tiveram uma cada.


O Concurso Internacional Universitário de Programação (ACM-ICPC), que decorrerá entre Março e Abril de 2019, é a maior competição de programação entre universidades de todo o mundo. É um concurso realizado anualmente sob os auspícios da Association for Computing Machinery (ACM).


O ACM-ICPC cria um ambiente propício à interacção entre estudantes, professores, investigadores e patrocinadores de todo o mundo, estimulando a aprendizagem, as trocas de experiências, a publicidade e marketing institucional num contexto internacional.


Fonte: ANGOP




Voltar