Em foco

Timor-Leste ficou praticamente sem internet durante horas

Timor-Leste ficou sem acesso à internet na segunda-feira durante várias horas devido a uma avaria no sistema da operadora indonésia Telkomsel que afectou o serviço das três operadoras do país.

Data: 23.10.2018

Timor-Leste ficou praticamente sem internet durante horas

O administrador delegado da maior operadora do país, a Timor Telecom (TT), Manuel Capitão Amaro, explicou à Lusa que o problema começou ao final da tarde quando o serviço da Telkomsel sofreu um falhanço grave.


"A informação que temos é de que houve um problema nas Flores (Indonésia)", explicou.


As operadoras têm divididos os seus acessos à internet para o exterior, de forma a minimizar riscos, sendo que no caso da TT, compra links à indonésia Telkomsel e à fornecedora de serviços por satélite SES, através do satélite 03B.


Além da Timor Telecom e da filial local da operadora indonésia, os problemas afetaram também o serviço da operadora Telemor.


Cerca das 17:45 locais, quando o link para a Telkomsel falhou. O serviço deveria ter automaticamente sido recanalizado para o 03B, mas uma falha técnica impediu que isso acontecesse, explicou Amaro.


"Usamos os dois acessos para funcionarem como backup. Mas o 'routeamento' automático que deveria ter reencaminhado o tráfico não funcionou e o serviço total caiu", explicou.


O corte nos serviços de 3G, 4G e circuitos fixos de dados só foi resolvido às 22:50.


O caso mostra a fragilidade que permanece no sistema de telecomunicações em Timor-Leste onde, apesar de promessas e compromissos antigas do Governo para estabelecer uma ligação por cabo submarino, tal continua a não ocorrer.


A situação obriga, por isso, a TT a comprar serviços a outro operador ou a recorrer a dispendiosos satélites, o que reduz a qualidade do serviço e torna o acesso à internet em Timor-Leste bastante mais caro.


Os serviços fixos de internet, por exemplo, chegam a custar milhares de dólares por mês apenas para velocidades de até 10 MB.


Os operadores têm de pagar o serviço que compram a valores que chegam a ser 10 vezes mais caros do que em zonas onde há melhores redes instaladas.


Fonte: ANGOP



Voltar