Em foco

A primeira passadeira 3D de Portugal está na Maia

A iniciativa visa a redução gradual de velocidade, através de uma ilusão de óptica, e é pioneira em Portugal.

Data: 20.10.2018

A primeira passadeira 3D de Portugal está na Maia

Os mais distraídos que passem na estrada paralela ao Colégio Novo da Maia podem não reparar que o aspecto da passadeira que fica junto àquela instituição de ensino mudou. Com o intuito de aumentar a segurança rodoviária, a Avenida Monte Penedo, em Milheirós, na Maia, tem agora a primeira passadeira 3D de Portugal. O objectivo é criar uma ilusão de óptica aos condutores e, assim, fazer com que reduzam automaticamente a velocidade ao verem uma “passadeira flutuante”.


Cláudia Capela tinha ido buscar o filho à escola na passada quinta-feira quando reparou na nova cara da passadeira. Ainda não tinha passado por ali de carro, por isso não sabe se a ilusão funcionaria. No entanto, aplaude a iniciativa que, diz, "devia ser fomentada perto das escolas".


Já Manuel Condessa, ainda sem ter visto as novas riscas na estrada, confirmou ao P3 que os carros ali passam a "altíssima velocidade". Desconfia, porém, da eficácia da nova solução. "Isto não diminui a velocidade em nada, o que devia existir era algo que provoque incómodo no condutor — uma lomba", alerta. Dali a instantes, ia, também ele, conduzir em direcção à nova passadeira para saber qual a sensação que esta lhe provocaria.


Segundo o presidente da Câmara Municipal da Maia, António Silva Tiago, em declarações à agência Lusa, este investimento tem “potencialidades no incremento da segurança rodoviária, particularmente na defesa dos peões”. “Por isso esta solução ficará em teste e se a sua eficácia der provas no terreno eventualmente passará a ser usada noutros locais do concelho."


Em Portugal, este é um projecto pioneiro e é fruto de uma parceira entre a Câmara Municipal da Maia, a Monroe e o piloto Tiago Monteiro. Lá fora, todavia, já existem vários exemplos de passadeiras 3D. A primeira foi pintada no Japão, mas a solução também já foi implementada em Ísafjorour, na Islândia, assim como na Índia, na China ou na Rússia.


Fonte: Público



Voltar