Em foco

Criatividade, marketing, segurança e legado digital. Faça "click" nesta conferência

São dois dias para “meter a mão na massa” e aprender com profissionais da área do marketing e de vendas. Mas no CLICKSUMMIT ninguém lhe vai tentar convencer a comprar ou aderir a algo, vai antes encontrar pessoas disponíveis para partilhar as suas experiências, estratégias e ferramentas. O foco é no digital.

Data: 12.10.2018

Criatividade, marketing, segurança e legado digital. Faça

Nos dias 11 e 12 de outubro, o Lispolis — Pólo Tecnológico de Lisboa recebe a quinta edição do CLICKSUMMIT. Martim Mariano, Business Director, levanta a ponta do véu desta edição.


“O CLICKSUMMIT é uma conferência sobre marketing digital e vendas online que surgiu em 2014, graças a uma ideia do Frederico Carvalho. Surgiu sobretudo para tentar apresentar o panorama digital português num evento diferenciador, tendo surgido como um evento online”, começa por explicar Martim Mariano.


“Na altura, a primeira e a segunda edição foram exclusivamente online e contaram com cerca de 5.700 participantes. Depois de muita pressão por parte da equipa, o Frederico sentiu que havia espaço e margem de manobra para fazer um evento presencial, o que aconteceu então pela primeira vez em 2016. Este já vai ser o terceiro ano em que temos o evento presencial”, acrescenta.


Assim, ao longo de dois dias, vão ser vários os nomes — portugueses e estrangeiros — que vão deixar a sua contribuição para a área do marketing e vendas online, em apresentações e debates entre dois espaços, o auditório e a Sala Inovação, onde serão abordados os temas mais técnicos.


“Temos vários oradores estrangeiros. Gostamos de trazer, todos os anos, oradores de fora porque sabemos que no nosso país temos a ideia que aquilo que vem de fora é sempre melhor, mesmo que já haja um equilíbrio. Este ano temos, por exemplo, aquele que foi votado como o 'The Most Entertaining Business Speaker' do Reino Unido, o James Sinclair, que começou o primeiro negócio aos 15 anos. Começou como organizador de festas de anos e hoje em dia criou um império onde tem sete empresas e 350 funcionários”, exemplifica Martim Mariano.


“Depois temos também uma pessoa que eu acho que merece grande destaque, que é o James Norris, o fundador de duas associações, e vem falar da importância das nossas escolhas ainda em vida sobre o que vai acontecer ao nosso legado digital depois de morrermos. Isto é uma questão que é bastante fraturante, certamente porque toca num tema muito difícil. Há pessoas que não vão querer ver, mas com certeza vai haver gente interessada nisto, porque é uma questão com que nos confrontamos todos os dias. Por exemplo, nas redes sociais, quem tem amigos que já faleceram vê-se a recordar as datas dos aniversários no Facebook. É uma notificação automática que ali aparece. Isto é uma questão que vai trazer muitos debates”.


A nível nacional vão ser também muitos os nomes e os temas a destacar. “Teremos uma apresentação feita pela agência que gere a conta da Control nas redes sociais, temos a explicação do caso de estudo do Licor Beirão, também nas redes sociais, e ainda um debate entre o gestor de redes sociais da PSP, o Comissário João Moura, e o inspetor da Polícia Judiciária Ricardo Vieira, também especialista em terrorismo digital: vão debater o que é o lado negro das redes sociais”.


Nos painéis vão estar também presentes Paula Cordeiro, cronista no Sapo24, com a intervenção “Podcasting: como falar ao ouvido do consumidor” e João Dinis, strategist da MadreMedia, como moderador do painel “Marketing de Conteúdo e a eficácia da Criatividade através dos Canais Digitais”.


Entre os objetivos deste encontro está o de “aumentar o nível de literacia digital do país”, diz Martim Mariano, referindo que “este é um dos grandes ‘mantras’ por detrás do evento”.


Para o Business Director do CLICKSUMMIT, o objetivo da equipa, ano após ano, é “fazer a melhor edição de sempre”. “Preparámos muitas surpresas, coisas muito interessantes, e temos pela primeira vez momentos de networking. Temos agora sunsets, porque queremos prolongar ao máximo a experiência de quem cá vem. Queremos que as pessoas tenham o máximo de tempo possível para poderem interagir umas com as outras e acreditamos que muito do sucesso acontece fora do recinto, num ambiente informal”.


Fonte: Sapo24


 



Voltar