Em foco

Tendências na cibersegurança "persistem" no segundo semestre de 2018

A ocupação acelerada de cargos de DPO e de CISO, devido à escassez de profissionais experientes em segurança, é uma das principais previsões da S21sec, empresa especializada em tecnologia de serviços e cibersegurança.

Data: 09.08.2018

Tendências na cibersegurança

A S21sec confirmou a concretização, nos primeiros meses do ano, das principais previsões em cibersegurança identificadas pelos seus especialistas no relatório anual de Cyber Predictions e reforça aquelas que serão as principais tendências até ao final do ano.


De uma lista de 27 previsões, a empresa especializada em tecnologia de serviços e cibersegurança identificou aquelas que consideram ser as que mais provavelmente se concretizarão até ao final de 2018.


Os ataques às máquinas ATM’s continuarão a ser uma das principais preocupações para as instituições financeiras, devendo crescer a integração de soluções de proteção física e lógica destas máquinas para diminuir o impacto do aumento esperado no número de ataques de Black-box (ataques com base na conexão de um dispositivo externo ao dispensador do ATM para resgatá-lo).


A conformidade com a PCI DSS (Payment Card Industry Data Security Standards) será acelerada, impulsionada pelo aumento de compras não presenciais e com recursos a cartões virtuais, bem como haverá um agravamento na mineração de criptomoedas através de ciberataques, contrapondo formas de monetizações anteriores como o ransomware.


Apesar das companhias de seguros estarem a trabalhar para determinar com facilidade, baixo custo e com precisão, a exposição ao risco cibernético da maioria das empresas que as abordam pedindo seguros cibernéticos, os quais não serão um produto massificado em 2018.


Por fim, a empresa aponta que cargos de Data Protection Officer (DPO) e Chief Information Security Officer (CISO) serão ocupados de forma acelerada, muitas vezes de forma sobreposta, devido à escassez de profissionais experientes em segurança da informação e nas exigências impostas às empresas com a entrada em vigor do novo RGPD.


“O cibercrime é um negócio que se alimenta de ataques direcionados a alvos com maior potencial lucrativo. Os cibercriminosos estão continuamente a inovar para executar ataques bem-sucedidos, pelo que medidas de segurança mais eficazes que contenham a sua exploração é uma necessidade premente para os diversos setores da indústria”, afirma João Machado Costa, Sales Director da S21sec Portugal.


Fonte: SapoTek



Voltar