Em foco

Fraunhofer Portugal Challenge procura teses com “ideias de utilidade prática”

A 9.ª edição do Fraunhofer Portugal Challenge vai "premiar ideias de utilidade prática" desenvolvidas por estudantes e investigadores de universidades portuguesas nas respectivas teses de mestrado e doutoramento.

Data: 14.07.2018

Fraunhofer Portugal Challenge procura teses com “ideias de utilidade prática”

Até 29 de Julho, o Fraunhofer Portugal Challenge está à procura das melhores ideias em teses portuguesas que tenham por base "tecnologia notável, fácil de usar" e que personifiquem a visão do centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS ("moldar o futuro, impactar vidas").


A iniciativa destina-se a estudantes de mestrado ou doutoramento e a investigadores de universidades portuguesas, que desenvolvam investigação no âmbito das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), multimédia e ciências relacionadas.


A competição contempla, assim, diversas áreas, como smartphones, saúde, agricultura, países em desenvolvimento, wearablescrowdsourcing, sensores de mobilidade, monitorização de actividade, desporto, segurança, seniores, big data e logística.


Resultado de imagem para fraunhofer challenge 2018


Em conversa com o P3, Liliana Ferreira, directora do Fraunhofer Portugal AICOS, explicou que o objectivo do concurso é "premiar ideias de utilidade prática". "Não queremos ir buscar ideias mais académicas, queremos ideias que depois possam ser transferidas para a indústria e o mercado".


Os candidatos devem preencher um formulário de registo online, submetendo uma apresentação da ideia em língua inglesa e com um máximo de seis slides. Os trabalhos não podem ter sido submetidos em edições anteriores e devem dizer respeito ao ano lectivo 2016/2017 (ou ser defendidos este ano).


Na última edição, na categoria de doutoramento, foram premiados três investigadores: Nuno Almeida, com um projecto que pretende facilitar o desenvolvimento de aplicações interactivas multimodais, multidispositivo, multiplataforma e multilingues; Nuno Moniz, com um método de previsão de popularidade de conteúdos online; e José Sousa, que desenvolveu um método de investigação de acidentes de viação, baseado na utilização de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT), também conhecidos por drones.


Já na categoria de mestrado, os vencedores foram Rafael Simões, com um método que permite uma melhor avaliação de imagens de ressonância magnética cerebral de pacientes com esclerose múltipla, João Monteiro, com a aplicação HealthTalks, que funciona como um sistema de gestão de informação médica pessoal e pretende melhorar a comunicação entre o médico e o paciente, e João Ferrão, com um biossensor colorimétrico não enzimático em papel que determina níveis de glucose.


As três melhores ideias em ambas as categorias receberão prémios científicos no valor de 9000 euros.


Fonte: Público



Voltar