Em foco

Justiça alemã determina que serviços secretos podem espiar operadoras de internet

O tribunal administrativo federal indicou em um comunicado que rejeitou na quarta-feira à noite o recurso apresentado pela companhia alemã De-Cix questionando a legalidade da vigilância exercida há anos pelos serviços secretos estrangeiros (BND).

Data: 01.06.2018

Justiça alemã determina que serviços secretos podem espiar operadoras de internet

O BND explora o fluxo internacional de dados que transita pelo gigantesco centro de intercâmbio da De-Cix, ao qual estão conectadas várias operadoras de telecomunicações e provedores de acesso à internet.


O centro, instalado em Frankfurt, é o maior operador de troca de internet do mundo. No horário de pico, gere um fluxo de 6 terabytes da China, Rússia, Médio Oriente e África.


A empresa estima que, dada a massa de telefonemas, e-mails, vídeos e comunicações on-line que transita por Frankfurt, era impossível ignorar completamente as comunicações estritamente alemãs.


O tribunal administrativo estimou, por sua vez, que o BND, que como serviço secreto externo não deve espiar as comunicações alemãs, pode usar as comunicações que passam pelo centro de Frankfurt, já que existem protocolos específicos.


De acordo com a lei alemã, o BND, que colabora com a agência de inteligência norte-americana NSA, só pode interceptar 20% dos fluxos de dados na internet.


Fonte: Jornal do Brasil



Voltar