Em foco

Zuckerberg quer académicos a investigar impacto do Facebook em eleições

A rede social não vai ter o poder de aprovar ou rever as conclusões dos trabalhos.

Data: 10.04.2018

Zuckerberg quer académicos a investigar impacto do Facebook em eleições

O Facebook quer determinar o impacto real que as redes sociais têm na política, e quer que académicos de todo o mundo ajudem na investigação. Esta segunda-feira, o director executivo da rede, Mark Zuckerberg, anunciou o lançamento de uma iniciativa para, durante um ano, apoiar pesquisas independentes sobre os efeitos que redes sociais como o Facebook têm na vida política. A rede social não terá qualquer poder para aprovar ou rever as conclusões dos trabalhos.


O objectivo é investigar a circulação de conteúdo polarizador, de propaganda e desinformação na rede social, e a forma como estes fenómenos influenciam o debate público. “Olhando para trás, é óbvio que fomos lentos a identificar fenómenos de interferência eleitoral que ocorreram em 2016, e que temos de fazer um melhor trabalho no futuro”, escreve Mark Zuckerberg numa publicação no Facebook onde apresenta o novo projecto.


O Facebook tem sido alvo de sucessivas acusações nos últimos tempos. Este ano, a empresa já suspendeu duas empresas de consultoria de dados (a britânica Cambridge Analytica e a nova-iorquina CubeYou) depois de descobrir que estavam a recolher informação de utilizadores da rede social a partir de testes de psicologia e de jogos sem os avisar. No caso da Cambridge Analytica, os dados obtidos terão sido mesmo usados para criar campanhas de propaganda política personalizada que contribuíram para a vitória do Presidente Donald Trump, nos EUA. No final de 2017, a rede social também admitiu ter descoberto milhares de anúncios de origem russa que se focaram em “amplificar mensagens políticas e sociais divisivas”, explorando a discórdia no debate de questões relacionadas com a comunidade LGBT, a raça, a imigração e o acesso às armas para influenciar a campanha para as eleições presidenciais norte-americanas de 2016.


“Queremos ter acesso a ideias e sugestões de académicos de topo sobre como resolver estes casos”, diz Zuckerberg que agora define "prevenir a interferência e a circulação de informação falsa e má qualidade durante as eleições" como uma prioridade para 2018. Os académicos seleccionados para o projecto terão acesso a dados privilegiados sobre o uso da rede social para analisar e entender dinâmicas de utilização do Facebook durante eleições. O financiamento, porém, não vem da rede social mas de outras sete outras organizações que incluem o Democracy Fund e a Omidyar Netowork. O motivo é assegurar a transparência do processo.


“É urgente encontrar soluções baseadas numa análise rigorosa, algo que é impossível de fazer sem acesso a dados”, diz Paula Goldman, responsável pelo laboratório de soluções sociais e tecnológicas da Omidyar Network, em comunicado. “Temos esperança que isto seja o começo de esforços por várias plataformas para partilhar os seus dados de forma responsável e para ajudar a encontrar situações para os problemas que enfrentam.”


Os membros da comissão vão ser escolhidos ao longo das próximas semanas, mas a rede social diz que pretende escolher pessoas de diferentes géneros, países, e etnias que tenham pontos de vista e experiências diferentes. Zuckerberg frisa que o Facebook que não terá qualquer influência no processo, mas espera que a comissão apresente resultados a tempo das eleições no Brasil, Índia e México.


Fonte: Público



Voltar