Em foco

Google atinge meta de 100% de uso de energia renovável

Contratos de energia renovável levaram a mais de US$ 3 bilhões em novos investimentos de capital em todo o mundo

Data: 06.04.2018

Google atinge meta de 100% de uso de energia renovável

O Google anunciou nesta quinta-feira (5/4) que atingiu sua meta de comprar energia renovável suficiente para suprir toda a eletricidade que consome em todo o mundo. Hoje, segundo a gigante de buscas, a compra total de energia da companhia por fontes como a energia eólica e a energia solar supre a quantidade de eletricidade usada por suas operações, incluindo escritórios e data centers.


Urs Hölzle, vice-presidente sênior de infra-estrutura técnica de Google, explica que a empresa ‘igualou’ energia renovável. "Ou seja, ao longo do último ano, em todo o mundo, para cada quilowatt por hora de eletricidade que consumimos, compramos um quilowatt por hora de energia renovável de um parque eólico ou solar construído especificamente para o Google. Isso nos torna a primeira nuvem pública, e companhia do nosso tamanho, a ter alcançado esse feito", comenta.


Segundo a companhia, contratos de energia renovável levaram a mais de US$ 3 bilhões em novos investimentos de capital em todo o mundo.


Em 2016, a companhia teve projetos operacionais que produziram energia renovável suficiente para cobrir 57% da energia que usavam das concessionárias globais. Com grandes planos de melhorias para o ano seguinte, a empresa assinou um número recorde de novos contratos para empreendimentos eólicos e solares em 2017, fazendo assim, a produção adicional de energia renovável ser o suficiente para atender mais de 100% do que usaram durante todo o ano.


O Google afirma que continuará a assinar contratos para a compra de mais energia renovável e, aos locais que ainda não comercializam esse tipo de energia, manterão os esforços para criarem possibilidades que permitam encontrar maneiras de abrir o mercado.


"Estamos trabalhando com grupos como a Aliança de Compradores de Energia Renovável (REBA) e a Plataforma Re-Source para facilitar e aumentar o acesso à energia de fonte renovável", conclui Hölzle.


Fonte: Computer World



Voltar